Muro de Berlim se foi há tanto tempo quanto existiu

Muro de Berlim se foi há tanto tempo quanto existiu

Destaques, Notícias, Variedades Nenhum comentário em Muro de Berlim se foi há tanto tempo quanto existiu

Barreira dividiu a cidade por 28 anos, 2 meses e 26 dias, mesmo tempo que sua queda completa neste 5 de fevereiro. Berlinense que lutou contra o Muro relembra sua história.

defaultConstrução do Muro de Berlim, em agosto de 1961

O Muro de Berlim dividiu a cidade entre leste e oeste por exatamente 28 anos, dois meses e 26 dias. E esta segunda-feira (05/02) marca um ponto de virada: o Muro não existe mais pelo mesmo tempo em que esteve de pé.

Crônica: 28 anos, 2 meses e 26 dias da queda do Muro de Berlim

A construção, iniciada em 1961, foi projetada para impedir a fuga de alemães orientais para o oeste, o que forçou os fugitivos a criar métodos mais criativos para conseguir chegar à Alemanha Ocidental. Alguns conseguiram a ajuda de prestativos berlinenses ocidentais para tentar atravessar por onde ninguém conseguiria vê-los: pelo subsolo.

Carl-Wolfgang HolzapfelHolzapfel: “Sempre haverá pessoas que irão lutar contra a injustiça”

Estima-se que cerca de 70 túneis foram escavados por baixo do Muro de Berlim. Recentemente, um arqueólogo encontrou a entrada de um desses túneis próximo ao parque Mauerpark. A redescoberta desenterrou a história de um homem cuja oposição ao Muro começou com o seu empenho em abrir uma passagem subterrânea em direção ao leste.

“Você não podia simplesmente escavar neste tipo de solo. Você tinha que realmente ‘abrir’ o caminho”, afirmou o então berlinense ocidental Carl-Wolfgang Holzapfel. “Isso foi o que tornou tudo tão difícil e frustrante. Às vezes, eu tinha a sensação de que não estava chegando a lugar algum.”

Em 1963, Holzapfel, juntamente com amigos, começou a escavar sob um armazém desativado no bairro de Wedding. O objetivo do grupo era chegar a um porão a 80 metros de distância localizado no lado oriental do Muro para que Gerhard Weinstein, um conhecido de Holzapfel, pudesse escapar para a Alemanha Ocidental e se reencontrar com a filha.

Carl-Wolfgang Holzapfel begann im Alter von 17 Jahren gegen die Berliner Mauer zu protestieren

Holzapfel começou a protestar contra o muro aos 17 anos de idade

Após quatro meses de trabalho árduo, as notícias do esforço do grupo chegaram à Stasi, o serviço secreto da antiga Alemanha Oriental. Weinstein e outras 20 pessoas que planejavam usar o túnel para fugir foram detidas. Holzapfel nunca mais ouviu falar delas.

Holzapfel, hoje com 73 anos, teve uma amarga decepção ao receber a notícia, mas insiste que os esforços de seu grupo não foram totalmente em vão. “Foi um lembrete de que sempre haverá pessoas que irão lutar contra a injustiça e que encontrarão maneiras de miná-la”, afirma.

Para Holzapfel, o túnel marcou o início de uma luta que duraria quase três décadas. “Aos 17 anos, eu disse para mim mesmo: você lutará contra esse Muro – porque ele é injusto – até vê-lo cair ou até fim da sua vida”, lembra.

Em 1965, ele foi preso durante uma manifestação pacífica no posto de fronteira conhecido como Checkpoint Charlie e passou nove meses na terrível prisão da Stasi no bairro de Hohenschönhausen. Após ser liberado, Holzapfel continuou protestando e permaneceu convicto de que veria a Alemanha reunificada.

Protesto de Carl-Wolfgang Holzapfel contra o Muro de Berlim, em 1989

No 28º aniversário da construção, em 1989, Holzapfel se envolveu na bandeira alemã e se deitou sobre a linha divisória

No 28º aniversário da construção do Muro, em 1989, Holzapfel fez talvez o seu mais simbólico ato de protesto. “Eu pensei: agora, eu preciso fazer algo para mostrar claramente a loucura de se dividir uma cidade”, diz.

Ele se envolveu na bandeira alemã e deitou no chão do Checkpoint Charlie – com o coração e a cabeça no leste e os pés no oeste – e a linha branca que marca a fronteira parecia correr sobre seu corpo. “Assim como eu sou obviamente um corpo, Berlim é um todo, e a Alemanha é um todo”, argumentou.

Menos de três meses depois, em 9 de novembro de 1989, o Muro de Berlim caiu. No dia seguinte, Holzapfel se encontrava no ponto da praça Postdamer Platz onde leste e oeste se encontravam. “Eu estava chorando. Não havia nada melhor – e nada pode superar esse sentimento.”

Há planos para que o túnel de Holzapfel seja preservado e integrado ao Memorial do Muro de Berlim. Para ele, retornar à entrada do túnel é sempre uma experiência emocionante. “Mas não é apenas a minha história. É um pedaço da história de Berlim”, diz.

COMPARTILHE! facebooktwitter
Copyright 2016 FRNews
Desenvolvido por Leandro H. Minato

Back to Top